Publicidade

Seguidores

Google+ Followers

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Documentário: Red Pill

Faz tempo que não faço um post extraordinário fora da agenda de fechamento e post quinzenal. Decidi escreve esse após ver um excelente documentário, esse que contraria qualquer outro documentário lançado este ano, pois a autora pensou fora da caixinha, foi contra o senso comum e relativismo de todos os atuais documentários lançados este ano. Ela simplesmente mostra o que é real e do mundo em quem nós vivemos e que o mainstream simplesmente finge não existir e qualquer um que tente expor esses fatos, são silenciados.

Só pelo Netflix ter proibido o documentário por ter verdades demais, já surge àquela pulga atrás da orelha por isso vale a pena sua busca. Não só o Netflix negou sua disponibilização na plataforma como vários cinemas negaram a exibição e outros onde conseguiram que o documentário fosse exibido foram vandalizados pela "gente boa" que se diz da paz. Mesmo sendo um filme auto financiado (sem nenhum centavo do pagador de impostos) saindo do próprio bolso dos interessados através do Kickstarter.

Precisavam de 97 mil dólares para pós-produção do filme e conseguiram mais do que o dobro. Mostrando mais uma vez que as pessoas estão dispostas a ver e ouvir e verdades, diferente do que o mainstream nós faz engolir diariamente.

O documentário se chama The Red Pill. O titulo do filme faz uma alusão a pílula vermelha do filme The Matrix, onde Morpheus mostra duas pílulas a Neo, aonde ele deve fazer a escolha que mudará sua vida, se ele tomar a pílula azul ele voltará a dormir, esquecerá tudo que viu naquela noite e voltará a sua vida normal como se nada tivesse acontecido, vivendo em uma eterna ignorância. Agora se tomar a vermelha, ele descobrirá o quão profundo vai a toca do coelho, fazendo uma alusão ao buraco em que Alice cai e vai parar no país das maravilhas.
O roteiro do filme consiste na cineasta, produtora, diretora, atriz e entrevistadora Cassie Jaye, procurando entender o que ela acreditava ser um movimento de ódio contra as mulheres, já que durante anos ela foi uma feminista ativa e como uma documentarista, sempre procurou por assuntos controversos.

Com o passar do tempo, horas e mais horas de entrevistas dos dois lados, tanto de feministas quanto de integrantes do Movimento dos Direitos dos Homens (em inglês, Men's Rights Activism – MRA). É possível ver suas crenças desmoronando e vendo que quanto mais fundo se vai nessa toca, mais verdades inconvenientes são descobertas e que entender esse movimento é exatamente como um de seus fundadores o descreveu. É como tentar entender uma nevasca através de cada floco de neve.

E por ser realmente um assunto tão profundo a ser abordado, seria praticamente impossível expor todos os pontos em apenas 117 minutos. Foram mais de 100 horas de entrevistas e palestras. Isso somente com o grupo mais chorão o A Voice for Men, imagina então a quantidade de conteúdo que seria gerado se ela resolvesse entrevistar grupos como os Gersons (lei) da THE RED PILL e os MGTOW que são os que estão com o saco mais cheio e querem sair do sistema.

Mesmo sendo bastante superficial, sendo odiado pela turma do "todo mundo que eu não gosto é Hitler" que nem viu e espalhou para os quatro cantos que atenta contra a liberdade de expressão (oi?). Do dia que foi lançado, 7 de março,  até o dia 1º de maio, foi o primeiro filme mais vendido no YouTube, superando grandes sucessos como o Moana da Disney, os Guardiões do Galaxy e o Rogue One. A YouTuber "Shoe0nHead" (não é a boxxy [o canal dela é ANewHopeee]) lançou uma análise em vídeo do documentário no dia 1º de maio, que atingiu mais de meio milhão de visualizações em menos de 24 horas [Link do Vídeo].


Não só foi um sucesso de vendas nas plataformas digitais, como também faz jus pela sua qualidade. Diferente do que muito crítico comprado e mal amado disse sobre o filme, os reais consumidores o adoraram, acumulando notas como 91% de aprovação dos usuários no Rotten tomatoes, Nota 9.1/10 dos usuários no Metacritic, site que foi tão desonesto que mostra o filme como não avaliado. Mais de quatro estrelas e meia no Google play. No IMDB sua popularidade só cresce, acumulando uma nota 8,6/10. Demonstrando mais uma vez que todo mundo está de saco cheio das mentiras "progressistas".

Ou seja, um documentário mais do que aprovado. Como o LeftFlix não disponibilizou para seus clientes, você pode encontrar o filme na concorrência.
Como o material bruto do documentário é bastante extenso a cineasta regulamente solta uma entrevista na íntegra em seu canal. Cassie Jaye.

Trailer oficial.


Separe um tempo para ver esse documentário. Valerá muito a pena!

DFTBA!
 

14 comentários:

  1. Obrigado pela a dica. Não tinha ouvido falar dele ainda e parece ser bem interessante. Já sei como vou gastar 2 horas do feriadão, rs.
    Assisti What the Health esses dias. BASTANTE tendencioso, mas faz você refletir sobre o consumo de carne. Pra mim pegou muito como somos feitos de idiotas pelas grandes corporações. Os caras conseguem passar por cima de tudo por causa de lucro, inclusive a saúde e bem estar dos consumidores. Vale a pena ver também, se tiver um tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara bota tendencioso nisso, deu vontade de parar de ver logo que o primeiro médico diz que o problema de obesidade e diabetes não está relacionado com o consumo de carboidratos. Igual os soças fazem sempre que a implantação das ideias homicidas e lunáticas em algum país não deu certo, simplesmente dizem que não é o verdadeiro socialismo, ou jogam para a direita.

      Aí aparece o médico bariátrico (que só vive graças ao gordos) falando a mesma coisa.

      Omissão de fatos, como acusar a incidência de cancerígenos nos fastfoods, mas não dizer que é causado pelo óleo vegetal na fritura, esse obrigado a ser usado pela FDA em vez de banha.

      Sem falar no tom alarmista durante o documentário inteiro, bem parecido com antigas correntes de email e agora do WhatsApp.

      1 ovo = 5 cigarros?! Tem maromba morrendo em toda esquina então.

      Quando comemos animais que comem ração composta de soja é um problema por causa de toxinas cancerígenas,mas quando comemos essa mesma soja diretamente não têm?! WTF?! Que lógica é essa?

      Sempre botando a gordura saturada como vilão da história...

      Sempre a mesma ladainha do pus no leite.

      Tem pelos de rato e pedaços de baratas nos chocolates (a Anvisa estipula limites) e ninguém faz escândalo com isso.

      O cara ligando para os telemarketing dos institutos dizendo que estava falando com algum representante, achando que o público cair nessa dizendo que iria esperar ter alguma resposta fora do manual de instruções só não foi engraçado, porque passou a definição de canalhice.

      Morrer de qualquer coisa bebendo leite, 64%. É humor isso?

      Quando começou a falar da criação de porcos em NC, já estava prevendo que iriam falar algo sobre racismo, milho e trigo e não é que falaram mesmo?

      Cara muito lixo esse documentário, é apenas mais um sensacionalista de correlação de dados estatísticos manipulados, Só quando começa a falar da USDA mostrando as fontes de financiamento vindo de indústrias alimentícias de tudo quanto é tipo de coisas que o governo só funciona para promover seus próprios interesses é que ficou menos parcial.

      Quando começa a falar da Hampton Creek
      achei bem estranha a história, fui pesquisar mais a fundo e parecia um Bel Pesce americano misturado com a Soylent.

      Atacou a dieta paleolítica, diz que somos frugívoros e que se não fôssemos seriamos iguais a ursos. PQP

      Depois atacou mais uma vez o colesterol como se fosse algo negativo. Porra sem colesterol, não há vida!

      Casos e mais casos milagrosos de dietas apenas baseado em plantas. A IURD tem vários casos milagrosos todos os dias e não tem nada de plantas. hahahaha

      Exceções não fazem a regra.

      Lembrei agora de uma reportagem do UOL onde na manchete dizia que uma mulher tinha morrido por alta ingestão de proteínas, bem sensacionalista e clichê, quando você lia toda a reportagem, descobria que ela tinha uma doença que o corpo não conseguia processar direito as proteínas. Vai ser fdp assim na casa do chapéu.

      O único objetivo desse movimento dos vegans é matar as pessoas de fome e as poucas que continuem a viver, mantenham-se sempre fracas e de fácil manipulação e controle. Só a base dos zumbificados que não percebem isso.

      O discurso inicial socialista sempre é muito bonito, ganha pela emoção, medo e culpa, por isso as pessoas caem facilmente nele. Só depois que começa a vir os resultados que começam ver a merda em que se meteram.

      O governo tem o papel de nos foder sempre. Veja o documentário Fat Head e verá como esse What the Health, não passa de propaganda progressista.

      Abraços!

      Excluir
  2. VOU ASSISTIR HOJE. OBRIGADO PELA DICA!

    ResponderExcluir
  3. ótima dica !! vou assistir no meu iPad

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, já citei o link na minha última postagem! abraços!

    ResponderExcluir
  5. Notei que começou a rolar uns burburinhos sobre esse documentário. Depois de assistir ao trailer fiquei bem tentado a assistir o filme.

    Vou guardar o nome dele aqui pra alugar um dia desses.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja mesmo, vale muito a pena. Tudo que esquerdista odeia irracionalmente, pode ir atrás que você verá que é bom.

      Abraços e volte sempre!

      Excluir
  6. Parece muito bom ein PS, vi aqui que tem nota 8,6 (muito boa) no IMDB. Vou colocar na minha lista de coisas a fazer no fds, abração.

    ResponderExcluir
  7. Não entendi: se tivesse na netflix como ganhariam com pay-per-view?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Netflix paga pelas licenças assim como o Spotfy pagam os músicos. Quanto mais visualização mais bufunfa.

      Abraços!

      Excluir

1. O pensamento é livre, não modero os comentários.
2. Você é o único responsável pelo que digita.
3. Propagandas ou spam serão excluídos sumariamente.

Obrigado pelo seu comentário e volte sempre!